quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Giz

E mesmo sem te ver
Acho até que estou indo bem
Só apareço, por assim dizer
Quando convém
Aparecer ou quando quero
Quando quero

Desenho toda a calçada
Acaba o giz, tem tijolo de construção
Eu rabisco o sol que a chuva apagou
Quero que saibas que me lembro
Queria até que pudesses me ver
És, parte ainda do que me faz forte
E, pra ser honesto
Só um pouquinho infeliz

Mas tudo bem
Tudo bem, tudo bem...
Lá vem, lá vem, lá vem
De novo
Acho que estou gostando de alguém
E é de ti que não me esquecerei
Tudo bem, tudo bem...
Eu rabisco o sol que a chuva apagou
Tudo bem, tudo bem...
Acho que estou gostando de alguém
Tudo bem, tudo bem...

4 comentários:

Artur Thompsen Carpes disse...

Que bonito...é teu?

Mel Prates disse...

Não é não Artur... É do Renato Russo. (Falha minha não citá-lo)

Sabe aquelas letras de música que dizem, exatamente, o que gostaríamos de dizer? - sabe sim...

Artur Thompsen Carpes disse...

Daquelas que se faz desejar ouvir. Quantas existem por aí. "O mundo cabe em uma canção". Essa também não é minha, mas de autoria óbvia.

Mel Prates disse...

El mundo cabe en una canción (Rodolfo Páez Ávalos)