terça-feira, 26 de agosto de 2008

Amores Impossíveis... ou possíveis?

O tempo passa e vou perdendo o entendimento de certas coisas. As sensações estão mudadas e os interesses também. Há momentos em que confundo tudo.
Já pensei nas mais diversas possibilidades... fiz perguntas a mim mesma... olhei pra trás. Olhei para erros e acertos. E hoje estou mergulhada numa grande dúvida. O que eu estou sentindo agora?
São principalmente duas as coisas que me deixam assim... Uma delas uma história inacabada, um amor paciente, um eu compreensivo demais. Um final sem meio. Foi a falta de dizer que amava. O medo de ultrapassar... a cautela exagerada. Um estrago que só foi percebido depois da partida. Bem depois. E com uma explicação assustadora. Foi amor de um lado e paixão do outro. Foram lados opostos. Hora errada. Tempos diferentes.
A outra... uma história não vivida. Mas duas pessoas que se aproximaram de um jeito pouco convencional. O caminho desalinhado. Os tropeços que atrapalharam. O arrependimento pelas histórias vividas com pessoas em comum que aconteceram e tornaram as coisas improváveis. Um sorriso familiar demais. A semelhança com alguém muito amado. Uma inteligência instigante. Um interesse que nasceu aos poucos e tomou proporções inacreditáveis. A dificuldade do não acreditar que é possível. Por medo dos preconceitos. Um encantamento pelo amor demonstrado. Mas talvez o amor por outra. O estar presente, insistentemente, mesmo estando ausente. O sonho repetitivo. A vontade de encontrar. As milhares de visitas as páginas da web. O medo de parecer tola. O frio na barriga no encontro. O abraço. O sorriso. A mesma mesa. O mesmo lugar...
As duas estão misturadas e meu coração está angustiado. Deixei de fato as tristezas do passado para trás. A página finalmente foi virada. O lugar está novamente ocupado. Agora só falta entender: Qual delas é amor?

3 comentários:

Eduardo Caringi Raupp disse...

Oi, conheci o teu blog através do Parte del Aire. O Artur, conhecido por mim como Jessé, é um grande amigo. Teus textos são muito bacanas. Adorei o "vou embora sem dar tchau". Serei um visitante constante.

Mel Prates disse...

OK Eduardo! Mais um visitante assíduo e a responsabilidade de escrever direitinho vai aumentando. Seja sempre bem vindo!

Ah... Também aumento minhas opções de leitura virtual. Andei espiando teu Blog e gostei do que vi!

Abraço

Parte del Aire disse...

Amores são sempre possíveis.