quarta-feira, 2 de julho de 2008

Confusão Amorosa

Já vou avisando que o Post de hoje poderá soar como um desabafo. Ta OK! É um desabafo...

Um amigo, na tentativa desesperada de me fazer encontrar de volta minha inspiração, sugeriu que eu escrevesse sobre o quanto "os homens estão perdidos" e a "evolução feminina". Alguma coisa assim... Talvez este meu amigo seja uma exceção no "Universo Masculino", porque qualquer homem detestaria ver uma mulher escrevendo sobre suas fraquezas. E eu vou ser franca em dizer que, dificilmente, irei encontrar alguém mais perdido do que eu por aí, portanto não poderia falar dos homens.

Não vou conseguir escrever sobre aquilo que nem eu entendo... Na verdade eu suspeito que todo mundo esteja ficando maluco. Ou que minha mãezinha passou muito tempo da minha infância lendo contos de fada para mim, onde as pessoas se apaixonavam perdidamente e sempre tinham um final feliz... Mesmo depois da "maça envenenada". Não que eu não acredite mais que as pessoas se apaixonem... Mas existe uma confusão em saber como agir nessa situação.

A tal "Evolução Feminina" fez com que muitas atitudes mudassem e que a iniciativa fosse tomada por ambas as partes. Agora ficam os dois lados esperando serem conquistados... E, as vezes, ninguém faz nada! A tolerância diminuiu. Se não der na primeira, manda a "fila andar"... E ninguém fica muito tempo choramingando pela perda. Bola para frente.

Mas daí, saindo da prática e entrando no "maravilhoso" mundo das teorias (que eu já disse para o que acho que servem)onde os guris definem a mulher ideal para namorar e as gurias ainda acreditam que serão conquistadas pelo príncipe encantado. E que a mulher não pode ligar, porque senão é atirada, mas também não pode sumir porque senão é volúvel. E o cara é quem tem que ter a iniciativa. Mas a mulher não pode ser muito inteligente ou esperta, porque senão fica difícil de enrolar. Homem para namorar é o cara bem resolvido. E a futura mãe dos filhos dele tem que ser uma guria direita (alguém pode me explicar o que é uma guria direita?)e bla bla bla... e ainda discutem sobre isso nos seus grupinhos!

E eu continuo sem entender coisa nenhuma... mas tenho chegado a algumas simples conclusões:

- Melhor fazer o que eu tenho vontade, para não me arrepender de não ter feito.
- Melhor dizer o que eu penso, para não ser acusada de não ter sido clara.
- Melhor não perder tempo com as teorias. Principalmente se forem as dos outros.
- Melhor acreditar em amor, porque senão é menos uma no mundo a acreditar.
- Melhor viver apaixonada... mesmo que seja por um traste (sem que ele saiba, claro!), porque a paixão é um combustível para vida.
- Melhor ser romântica, do que ser hipócrita.

E pode ter certeza: Tu estás sujeito a apaixonar-te pela pessoa errada! Ou melhor... a pessoa certa pra ti. Mas que segundo as famosas teorias, não é a ideal...

Para terminar... se passarmos a vida toda fugindo do que nosso coração tenta mostrar é possível que a nossa razão nos leve para bem longe dos nossos objetivos pessoais.

E eu... se tivesse escutado meu coração. Não teria deixado algumas pessoas "passarem"...

3 comentários:

Marcelo disse...

Ai vai meu ponto de vista:
Sei que muita gente naum vai concordar, mas tenho exemplo na minha vida ! Acho que posso falar um pouco.
Bem, o mundo está de certa forma desgovernado, na busca intensa do ter e não do ser. A felicidade em um relacionamento], acho eu, está diretamente ligada a uma volta aos primórdios da vida, aprender a ser a conviver a respeitar a compartilhar. Saber o limite de cada um, respeitar a individualidade de cada um; Talvez assim aprender a amar e viver bons momentos, esquecendo o turbilhão de coisas do dia-a-dia. Certamente o amor é encontrado nas coisas simples, e os contos de fadas na realidade somos nós que criamos e vivemos, se é que conseguimos coragem para vivê-los. O cotidiano competitivo, cada vez mais faz com que esqueçamos das pessoas, faz a gente desvalorizar a vida. Esquecer de muitas coisas que nos fazem respeitar os outros como pessoas. Certamente isto nos provoca desencontros. Temos que recriar os contos de fadas sem medo de ser feliz e sem pensar no que os outros v~~ao achar. Devemos romper barreiras todos os dias e desta forma procurar o amor verdadeiro e não a superficialidade da vida.
Um abraço ! E perdoem se escrevi besteira !!! Falowwwwwwww...

José disse...

Cara M Prates Condimentada...

Acho que cometeste dois descuidos na tua “Organização Escrita” de sentimentos e vontades:

(i) quando sugeriste que “qualquer homem detestaria ver uma mulher escrevendo sobre suas fraquezas”...Se o “príncipe” (e vice-versa) detestar isso, realmente o relacionamento será “um conto-de-fadas”, na pior das acepções...

(ii) quando indicaste que “continuo sem entender coisa nenhuma...”...Nanananana...Já estás entendendo sim...sorrisos...As tuas “conclusões” não são de nenhum(a) ‘un passant’...sorrisos...

Gostei muito (da forma e do conteúdo) do “Agora ficam os dois lados esperando serem conquistados... E, as vezes, ninguém faz nada! A tolerância diminuiu.”...Influência da MMedeiros na tua escrita...sorrisos...

Sugestãozinha: Vitamina A + Flavonóides...

Meus cumprimentos...

Parte del Aire disse...

Não fosse assim, a vida certamente não seria tão encantadora.